Agentes penitenciários decidem, amanhã, sobre greve

(Imagem: Internet)

Internet
Internet

Os agentes penitenciários de Mato Grosso podem deflagrar uma nova greve a partir de amanhã (15), quando realizarão uma assembleia geral as 15h, na sede do sindicato da categoria, em Cuiabá.
Na última vez que os profissionais entraram em greve em Mato Grosso, no dia 31 de maio, os presos se revoltaram com a suspensão das visitas e comandaram diversos ataques na Capital e no interior.
Cobranças
A categoria cobra a realização de concurso público, a compra de fardamento, de coletes balísticos e de viaturas. Eles chegaram a realizar uma paralisação no dia 18 de agosto, para tentar sensibilizar o Governo a cumprir as medidas.
De acordo com João Batista Pereira, presidente do Sindicato dos Servidores Penitenciários do Estado de Mato Grosso (Sindspen/MT), as reivindicações são antigas e o Executivo havia prometido resolvê-las, ainda no ano passado. “O Estado também havia prometido alterar a lei de carreira dos profissionais, para autorizar o pagamento da jornada voluntária, o que não ocorreu. Isso resultaria na remuneração extra e contribuiria para amenizar a questão do escasso efetivo e a falta de equipamentos de segurança, como o scanner corporal, para fiscalização de visitantes nas unidades prisionais”, destacou o sindicalista.
João Batista garantiu que caso a categoria aprove a greve, a segurança dos presídios será mantida.
A assembleia vai decidir, em caso de greve, como serão as visitas e o controle da entrada de alimentos.
Sejudh
Questionada sobre os itens do acordo que não foram cumpridos, a Secretaria de Estado de Direitos Humanos (Sejudh) informou que já atendeu, “na medida do possível”, todas as reivindicações da categoria.
Garantiu que em outubro vai entregar 15 novas viaturas para atender o sistema penitenciário.
Já sobre o concurso público, afirmou que a Secretarias de Estado de Gestão (Seges) já lançou o edital para a realização do certame.
Sobre a aquisição dos coletes balísticos, a Pasta explicou que está aguardando a autorização do Exército para poder realizar a compra.
Com Mídia News

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.