Aviação regional foi discutida em seminário na ALMT 

(Foto: Secom ALMT)

(Foto: Secom ALMT)
(Foto: Secom ALMT)

O Programa de Desenvolvimento da Aviação Regional (PDAR) foi discutido ontem, em seminário realizado na Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso, em Cuiabá. Durante o encontro, o senador Wellington Fagundes (PR-MT) disse esperar, que o governo federal reveja a decisão de reduzir o número de aeroportos contemplados no programa.
O encontro, organizado pela Comissão de Desenvolvimento Regional e Turismo do Senado (CDR) e conduzido por Wellington, integra a agenda de avaliação de políticas públicas do colegiado.
PDAR
Anunciado em 2012 com o objetivo de atrair voos comerciais para cidades do interior, o PDAR foi alterado pelo governo Michel Temer, em agosto. Dos 270 aeroportos previstos no plano inicial, 94 deles foram cortados do projeto.
No novo plano de investimento, o governo federal vai investir em 176 terminais regionais, sendo que deste total, 53 são considerados prioritários e vão receber investimentos de R$ 300 milhões, a partir do ano que vem.
Recessão
Segundo Eduardo Bernardi, do Ministério dos Transportes, Portos e Aviação Civil, a revisão foi necessária em razão do quadro de recessão enfrentado pelo país. “Com as novas bases, o programa está adequado à realidade do país. A ideia é que agora a gente consiga investir mais fortemente em obras e ações pontuais e, assim, o programa decole”, assinalou Bernardi.
Para Wellington Fagundes, o governo pode até atrasar os investimentos em alguns aeroportos, mas não deveria cortá-los em definitivo.
“Vamos trabalhar para que esses aeroportos sejam apenas sustados e não cortados e, com a recuperação econômica, possa ser concluído. Vamos trabalhar para que o governo federal implemente esse programa para baratear o preço das passagens e universalizar o uso desse transporte”, disse.
Os senadores José Medeiros (PSD-MT) e Cidinho Santos (PR-MT), deputados estaduais e outros participantes da audiência apontaram que a construção, ampliação e reforma dos aeródromos trarão como retorno o crescimento da arrecadação, como resultado da promoção do turismo e do desenvolvimento de regiões hoje pouco integradas do território nacional.
Com Agência Senado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.