Cidade enfrenta surto de gripe Influenza


(Kawê Pires/Gcom)

Rondonópolis está enfrentando um surto de H1N1 (gripe Influenza), que vem ocorrendo nos últimos dias, o que levou a equipe da Secretaria Municipal de Saúde a se reunir na manhã de hoje (27), para definir as estratégias de enfrentamento ao aumento considerável dessa variante, bem como prestar os atendimentos e tratamentos necessários à população.
Apesar do crescente surto, o secretário da Pasta, Vinícius Amoroso, tranquilizou a população afirmando que a situação está sob controle, mas alertou sobre os cuidados preventivos necessários que devem ser continuados, tomando como exemplo as ações preventivas que eram tomadas para a covid-19, como, distanciamento social; evitar contato direto sem máscaras; evitar as aglomerações; fazer uso da máscara e álcool gel para higienizar as mãos, pedindo que todos se cuidem, se protejam, e protejam a família, destacando que não há nenhum registro da “Influenza A subtipo H3N2”, na cidade.
As pessoas com sintomas gripais respiratórios leves, devem procurar uma unidade básica de saúde mais próxima da residência como os PSFs e as ESFs, que estarão abertas de segunda a sexta-feira das 7h às 11h e, das 13h às 17h.
Já para os casos de sintomas gripais respiratórios moderados e/ou graves, Vinícius repassa à população que caso de alguém apresentar estes sintomas, seja fora do horário comercial ou finais de semana, mas que sejam sintomas moderados ou graves, deve se dirigir ao Hospital de Retaguarda (Hospital Municipal Antônio Muniz), antigo PA, que estará aberto 24h para atendimento ao público, com estas condições e não à UPA.
Interessante da preocupação do secretário de Saúde somente agora, quando um surto de gripe – que pode evoluir para o subtipo H3N2 – toma conta da cidade, quando deveria ter se preocupado antes e evitado que isso pudesse ser possível de acontecer (ou algo até mais grave), caso tivesse usado de mais prudência ao liberar para a realização, no dia 09 deste mês, o show do cantor Gusttavo Lima, em Rondonópolis, que levou mais de 20 mil pessoas, da cidade e da região, ao Parque de Exposições Wilmar Peres de Farias, que foi um dos fatores que, certamente deve ter contribuído para que a gripe se alastrasse pela cidade.
Avisado dos riscos, ele estava.
Como não deu a devida importância que o assunto merecia, deu no que deu!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.