Impeachment: senadores “ficha suja” viraram “juízes”

Plenário aprovou projeto vergonhoso (Waldemir Barreto/Agência Senado)

Foto: Waldemir Barreto/Ag Senado
Foto: Waldemir Barreto/Ag Senado

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Ricardo Lewandowski, ao abrir o julgamento do impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff (PT), na quinta-feira no Senado, advertiu aos senadores de que a partir daquele instante, eles se tansmudavam de parlamentares para verdadeiros juízes.
Em observação mais do que coerente do site Congresso em Foco, em sua matéria de ontem, o novo figurino parece desconfortável a um terço do Senado: um em cada três senadores que estão julgando Dilma Roussef, responde a investigações ou ações criminais no Supremo Tribunal Federal (STF).
Dentre as acusações que pesam contra os “juízes”, constam corrupção, formação de quadrilha, crime eleitoral, lavagem de dinheiro, desvio de verba pública e crime de responsabilidade – denúncia pela qual Dilma também responde.
Dos 81 integrantes do Senado, 26 são alvos de inquérito ou ação penal no Supremo, na “corte” presidida por Lewandowski. Ao menos 13 senadores são suspeitos de participar do petrolão, o maior esquema de corrupção descoberto no país. Dos 24 que tinham pendência criminal na sessão que suspendeu o mandato de Dilma, em 12 de março, 18 votaram a favor do afastamento, e seis foram contrários.
A bancada dos “magistrados” sob investigação, reúne tanto apoiadores de Dilma, como os petistas, Gleisi Hoffmann (PR), Lindbergh Farias (RJ) e Humberto Costa (PE), quanto de Michel Temer, como o vice-presidente do PMDB e do Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), o líder do governo interino, Aloysio Nunes (PSDB-SP), e Valdir Raupp (PMDB-RO).
Veja a lista dos “juízes”, com pendências no STF:
AÉCIO NEVES (PSDB-MG)
ALOYSIO NUNES (PSDB-SP)
BENEDITO DE LIRA (PP-AL)
CÁSSIO CUNHA LIMA (PSDB-PB)
CIRO NOGUEIRA (PP-PI)
DÁRIO BERGER (PMDB-SC)
EDISON LOBÃO (PMDB-MA)
EDUARDO AMORIM (PSC-SE)
FERNANDO BEZERRA COELHO (PSB-PE)
FERNANDO COLLOR (PTC-AL)
GLADSON CAMELI (PP-AC)
GLEISI HOFFMANN (PT-PR)
HUMBERTO COSTA (PT-PE)
IVO CASSOL (PP-RO)
JADER BARBALHO (PMDB-PA)
JOSÉ AGRIPINO (DEM-RN)
LINDBERGH FARIAS (PT-RJ)
OMAR AZIZ (PSD-AM)
RENAN CALHEIROS (PMDB-AL)
ROMÁRIO (PSB-RJ)
SÉRGIO PETECÃO (PSD-AC)
SIMONE TEBET (PMDB-MS)
TELMÁRIO MOTA (PDT-RR)
VALDIR RAUPP (PMDB-RO)
VANESSA GRAZZIOTIN (PCdoB-AM)

(Para obter informações sobre as ações que os citados respondem no STF, acesse o Google colocando o nome do parlamentar e a pergunta: a que crimes respondem?)

Minha mãe, Adélia, sempre dizia – em dialeto italiano -, em situações irônicas como essa:
“Tutti santi, di tutti quanti” (tradução literal: Todos santos, quanto)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.