Plenário do Senado aprova denúncia contra Dilma

Foto: Marcelo Camargo 

Foto: Marcelo Camargo 
Foto: Marcelo Camargo

Por 59 votos a 21, o plenário do Senado aprovou hoje (10) o relatório do senador Antonio Anastasia (PSDB-MG) que julga procedente a denúncia contra a presidenta afastada Dilma Rousseff, por crime de responsabilidade. Dilma agora vai a julgamento final pelo plenário do Senado.

O resultado da votação foi bastante próximo do esperado pelo governo do presidente interino Michel Temer. Integrantes do governo avaliavam que o governo teria cerca de 60 votos favoráveis pela admissão da pronúncia. Após a aprovação do texto, os senadores votaram três destaques propostos pelos senadores da oposição. O primeiro queria a retirada da denúncia da imputação de crime de responsabilidade por repasses não realizados ou realizados com atrasos pelo Tesouro Nacional ao Banco do Brasil, relativos à equalização de taxas de juros referentes ao Plano Safra, no exercício de 2015. O texto de Anastasia foi mantido por 58 votos a 22.

Os outros dois destaques estavam relacionados a decretos de créditos suplementares sem autorização do Congresso Nacional; o primeiro no valor de R$ 29,9 bilhões e o segundo de R$ 600 milhões. Os dois destaques foram rejeitados. O primeiro também por 58 a 22 e o segundo por 59 a 21.

Seguimento do processo

Acusação e defesa terão que apresentar, no prazo sucessivo de até 48 horas, respectivamente, o libelo acusatório e sua contrariedade, juntamente com até cinco testemunhas legais e mais uma extranumerária para cada uma das partes.

A expectativa é que o julgamento final de Dilma ocorra no final do mês de agosto.

Com a decisão de hoje, Dilma vira ré no processo de impeachment. Na última etapa, após o depoimento das testemunhas, os senadores decidirão pela condenação ou a absolvição de Dilma. Na fase final, é preciso o voto de 54 dos 81 senadores para confirmar o impedimento. As sessões de julgamento devem ser agendadas a partir do dia 25 de agosto.

Dilma paga o preço por um governo instável e ter mostrado outra realidade, para os brasileiros.

Errou na fórmula de governo popular e abriu caminho para o bombardeio pesado da oposição.

Como bem colocou Helio Gurovitz em sua coluna de hoje no G1, Dilma precisaria, desde o início, ter apresentado argumentos técnicos consistentes para desmentir o crime de responsabilidade que lhe era imputado. Teria sido necessário mostrar razões sólidas para justificar os decretos de créditos suplementares assinados por ela ou as pedaladas do Plano Safra no Banco do Brasil.

Deu no que deu!

Com Agência Brasil

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.